Portal do Governo Brasileiro

Obra retrata o poder dos coronéis sobre a população do sertão nordestino 

 

No programa Semiárido em Foco desta sexta-feira, dia 18 de outubro, será exibido o documentário brasileiro “Theodorico, o imperador do Sertão”, do cineasta Eduardo Coutinho,  originalmente mostrado pelo programa Globo Repórter, da TV Globo, em 22 de agosto de 1978.  O filme conta a história de Theodorico Bezerra, latifundiário no Rio Grande do Norte que era tratado com o título de imperador do sertão.

 

O documentário foi gravado no Rio Grande do Norte, nos municípios de Natal (RN), Santa cruz (RN), e Tangará ( RN) onde se localizava sua fazenda chamada de Irapuru. Durante o filme Theodorico fala abertamente sobre poligamia, voto de cabresto, socialismo e do seu próprio modo de fazer política e administrar as fazendas. 

 

Típico coronel nordestino, a relação de Theodorico com os empregados era ditatorial, quase monárquica.  Os trabalhadores rurais de suas propriedades precisavam pedir permissão para sair das fazendas, eram proibidos de matricular os filhos na escola e votavam nos candidatos indicados pelo patrão. Durante as filmagens ele fez questão de expor fotografias nas quais se encontra junto a autoridades locais e nacionais, como forma de expor sua influência política. 

 

O documentário retrata o poder dos coronéis do Semiárido brasileiro na vida das comunidades sob seu controle. A exibição do filme no período da ditadura militar também significou um protesto subliminar ao regime de exceção, retratado de modo imaginário na figura do imperador do sertão. 

 

A convidada para comentar a obra cinematográfica e mediar as discussões é a pesquisadora Regina Maria Rodrigues Behar, historiadora e doutora em Ciências da Comunicação, atualmente professora da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). 

 

Sobre o Semiárido em Foco 

 

O programa Semiárido em Foco é apresentado todas às sextas-feiras, às 14 h, na sede do Instituto Nacional do Semiárido (Insa/MCTI), em Campina Grande (PB) e é transmitido ao vivo pelo site do Insa. 

 

Texto Rodeildo Clemente (Ascom Insa)