Portal do Governo Brasileiro

Visita ao cactárioVisita ao cactário

Na manhã desta quinta-feira, dia 09 de julho, estudantes do Ensino Médio da Escola Estadual Francisca Martiniano da Rocha, do município de Lagoa Seca (PB), fizeram visita de intercâmbio para conhecer os projetos desenvolvidos pelo Instituto Nacional do Semiárido (Insa), Unidade de Pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), em Campina Grande (PB).

 

As visitas de intercâmbio se inserem em uma das funções do Insa, a de difusão científica e tecnológica, e são importantes por compartilhar os conhecimentos e experiências do Instituto com a sociedade e propiciar o acesso das pessoas às pesquisas e contribuir para promover uma cultura científica na sociedade. 

 

Os roteiros são definidos de acordo com o público que visita o Instituto. A programação da visita desta quinta-feira incluiu visita aos laboratórios de solos e de bioprospecção da Caatinga, que estuda compostos do bioma com propriedades medicinais, terapêuticas e cosméticas; à unidade experimental de reúso e captação de água de chuva, e ao Cactário, coleção de cactáceas oriundas de diversas regiões semiáridas.

 

Popularização da ciência

 

Durante todo o ano o setor de popularização da ciência do Instituto abre as portas para divulgar e compartilhar suas ações de pesquisa com diferentes segmentos da sociedade (agricultores, estudantes do ensino fundamental, médio, técnico, professores, pesquisadores e universitários da graduação e da pós-graduação, representantes de movimentos e organizações sociais). As visitas têm atraído curiosos de diferentes estados do Semiárido brasileiro interessados em se aproximar dos conhecimentos científicos produzidos no Instituto e de dialogar com os pesquisadores. 

 

De acordo com Everaldo Gomes, responsável pelo setor de Popularização da Ciência do Insa, “essas visitas são oportunidades que os alunos têm para vivenciar um pouco do cotidiano da pesquisa, o que um pesquisador faz na prática e podem abrir novos horizontes para os alunos escolherem uma profissão e no futuro atuarem em alguma área de conhecimento, seja da química, da biologia, da agronomia”. 

 

O Insa também oferece aos visitantes, na Estação Experimental, roteiros com trilhas na Caatinga, visita ao projeto de revitalização da cultura da palma forrageira, centro de ovinocaprinocultura, viveiro de multiplicação de plantas nativas, biodigestor, estações meteorológicas, entre outros projetos.  Lá também abre as portas para os visitantes o Laboratório de Micropropagação, que faz o cultivo de tecidos vegetais de palma forrageira em laboratório, o que propicia sua produção em larga escala e com garantia da qualidade genética da planta.

 

O açude inteligente também entra no roteiro das visitas, que conta com sistema de proteção contra o assoreamento, construído com tecnologias sociais que utilizam matérias-primas encontradas em abundância no próprio Semiárido, a exemplo de pedras, macambiras e erva-babosa. O açude inteligente também contém uma lâmina de água de pequena área, combinada a uma maior profundidade para evitar a evaporação.

 

Texto: Catarina Buriti (Ascom do Insa)  
Foto: Rodeildo Clemente (Ascom do Insa)