Portal do Governo Brasileiro

 

Com a disponibilidade de água cada vez menor em todo o mundo, tanto pelo aumento da sua utilização, quanto pela diminuição de sua demanda ocasionada através da degradação dos recursos hídricos e mananciais, o tratamento de esgoto para reuso para fins agrícolas familiar, tem sido uma alternativa para economia desse recurso e uma forma de promover a saúde, proteger o meio ambiente e aumentar a qualidade de vida da população.

 

No Semiárido brasileiro a situação é ainda mais grave, principalmente em períodos de estiagem, onde a população da região é impactada de severa, refletindo nas atividades econômicas, em especial a agrícola. Segundo estudos realizados, em 2011, a produção de esgoto na região semiárida alcançou 13,42 m3 /s, o que revela, que se tratado corretamente o esgoto poderia gerar para região um grande volume de água não convencional, suprindo consideravelmente problemas causados pelo déficit hídrico.

 

Diante desse cenário o Instituto Nacional do Semiárido (Insa/MCTIC), através do Núcleo de Recursos Hídricos, e em parceria com a Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), a Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) e o Programa de Aplicação de Tecnologias Apropriadas (PATAC), desenvolveu uma tecnologia apropriada para o tratamento de esgoto, objetivando a produção de água de reúso para fins agrícolas em escala familiar.

 

O sistema é composto por Caixa de Gordura, Tanque Séptico/Equalização, Reator UASB, Lagoa de Polimento e Reservatório da água de reúso com sistema de bombeamento e medição do esgoto tratado (hidrômetro). A finalidade do mesmo é produzir um efluente com elevada concentração de nutrientes, baixo risco de obstrução do sistema de irrigação e elevada segurança do ponto de vista sanitário.

 

A água residuária possui características que permitem a sua posterior reutilização, geralmente após passar por tratamento. Essa água em sua maioria, abrange o esgoto e depósitos líquidos provenientes de várias atividades, incluindo a indústria e a agricultura, onde há um favorecimento na irrigação. 

 

O projeto, desenvolvido pelo Insa e parceiros, foi aplicado no ano de 2017, na zona rural do município de Cubati - PB (Assentamento São Domingos), sendo composto por um sistema de tratamento familiar, projetado para tratar o esgoto doméstico das famílias selecionadas. O sistema de tratamento de esgoto familiar proposto apresentou facilidades de instalação, operação e manutenção; estabilidade e eficiência operacional; dimensões compactas e custos compatíveis com o volume a ser tratado e com a qualidade de água a que se destinava.

 

Sistema de tratamento de esgoto familiar Sistema de tratamento de esgoto familiar

 

O sistema de tratamento tem como objetivo a remoção de sólidos, diminuição da concentração de matéria orgânica e microrganismos patogênicos. Os resultados da pesquisa mostraram que o sistema apresentou uma remoção média de matéria orgânica de 78% no sistema de tratamento familiar (maior que a estabelecida pela resolução do CONAMA que é de 60%); Com relação aos nutrientes, observou-se uma baixa remoção de fósforo e nitrogênio ao longo do período de monitoramento, indicando a eficácia do sistema de tratamento; Já o parâmetro microbiológico apresentou concentrações de E. coli na faixa recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para reúso restrito (103 a 105 NMP/100 mL), na maior parte do período de monitoramento, comprovando a segurança sanitária do efluente tratado para o reúso agrícola de culturas forrageiras, cerealíferas, madeireiras e fruteiras.

 

A geração média de água, para a família de quatro pessoas, foi de aproximadamente 120 Litros/dia, resultando em 43,2 m³/ano de água de reuso, que possui elevada concentração de nutrientes. Desta forma, os beneficiados economizaram com a aquisição de água e fertilizantes industrializados.

 

Atualmente o projeto atende a duas famílias de comunidades rurais da Paraíba, e está sendo expandido no estado do Pernambuco e na Bahia, numa parceria do INSA com outras instituições, a saber IPA e IRPAA.

 

 De acordo com Salomão Medeiros “O projeto tem o objetivo de ser um sistema de tratamento de esgoto, associado ao reuso, de baixo custo que possa replicado pelas famílias agricultoras”, afirmou ele, que é coordenador do projeto.

 

Desafio “Banheiros mudam vidas”

 

Como forma de expandir o projeto para gerar mais impacto positivo nas comunidades, o Insa foi selecionado para o desafio “Banheiros mudam vidas”, da marca Neve (Kimberly Clarck). O intuito desse desafio é sensibilizar e mobilizar a população brasileira quanto a importância da coleta de esgoto, principalmente em zonas difusas; Implementar tecnologias inovadoras de coleta e tratamento de esgoto doméstico e Promover o tema como pauta prioritária na agenda política, por meio do Programa de Aceleração de iniciativas inovadoras no setor de saneamento

 

Na ocasião, o Insa está entre os 12 finalistas com o projeto intitulado "Sistema de Tratamento de Esgoto e de Reúso Agrícola Familiar", que é fruto dos esforços dos pesquisadores Salomão de Sousa Medeiros, Mateus Cunha Mayer, Rodrigo de Andrade Barbosa, George Rodrigues Lambais, Adrianus Van Haandel e Silvânia Lucas dos Santos

 

Cartilha

 

Para que a população entenda melhor a importância do saneamento rural, o Insa desenvolveu a cartilha “Tratamento de esgoto e reuso agrícola no Semiárido brasileiro”, que relata o cotidiano de duas crianças que residem em uma típica comunidade rural da região.

 

CARTILHA TRATAMENTO DE ESGOTO E REÚSO AGRÍCOLA NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO

 

 

Texto: Renally Amorim

Foto: Felipe Lavorato


NOTÍCIAS RELACIONADAS


BOLETIM
INFORMATIVO

VÍDEOS

INSA NA
MÍDIA

EDITAIS

EVENTOS